Reserva Ecológica de Guapiaçu (RJ)

REGUA: A Reserva Ecológica de Guapiaçu (REGUA) é um dos principais destinos para a observação de aves no Rio de Janeiro. O empenho no trabalho de proteção e restauração das florestas faz com que a REGUA possua um total de 450 espécies de aves já registradas em seu território. Com mais de sete mil hectares de áreas naturais e reflorestadas em diferentes estágios de regeneração, a REGUA conta com uma rede de trilhas especialmente planejadas para o observador de aves que pensa em mínimo impacto e muitas espécies! Os principais são:

Alagados e Trilha Marrom: Uma trilha com cerca de três quilômetros, entre mais de cem hectares de áreas reflorestadas e florestas em estágio inicial e intermediário de sucessão, ao redor de um grande lago.

Muitas espécies de ambientes úmidos e borda de floresta podem ser encontrados, com destaque especial para o biguatinga, o arapapá, o pato-do-mato, a garça-real, a sanã-castanha, o gavião-pombo-pequeno, o bico-virado-miúdo, a saíra-de-chapéu-preto, saíra-galega e o tiê-sangue. A saí-de-pernas-pretas pode ser observada entre janeiro e junho em bandos mistos com a saí-azul, figurinha-de-rabo-castanho, saíra-de-chapéu-preto e os gaturamo-verdadeiro e fim-fim.

Trilha Verde: Outra trilha com três quilômetros no interior de uma floresta sub-montana em diferentes estágios de sucessão, que culmina em uma bela cachoeira. Estas características permitem observar desde espécies presentes na borda das florestas até as encontradas apenas em áreas bem preservadas.

O apuim-de-cauda-amarela, a tiriba-de-testa-vermelha, a araponga, o tangará e o tangarazinho, o pintadinho, a choquinha-de-garganta-pintada, o barranqueiro-de-olho-branco, o limpa-folha-de-testa-baia, o capitão-de-saíra, abre-asa-de-cabeça-cinza, vira-folhas, o barbudo-rajado, o cuspidor-de-máscara-preta, a cigarra-verdadeira, o furriel, a cambada-de-chaves, e muitas outras saíras podem ser encontradas. O chibante, espécie vulnerável a extinção e endêmica da Mata Atlântica é um dos principais atrativos deste destino.

Trilha Vermelha: A Trilha Verde continua por mais três quilômetros sob florestas em avançados estágios de sucessão, onde espécies típicas de florestas montanas preservadas são encontradas.

As espécies-alvo desta trilha são: inhambuguaçu, sabiá-cica, papo-branco, limpa-folha-miúdo, pimentão, patinho-gigante e papa-moscas-de-olheiras. Nesta trilha também se encontra o chibante em sua época reprodutiva (de agosto à dezembro).

Valdenor: Mais uma trilha circular no território da REGUA, onde muitas espécies florestais podem ser encontradas. Devido ao ótimo estado de conservação da floresta e ao relevo montanhoso, espécies endêmicas de matas de baixada e de altitude podem ser encontradas.

Devido ao ótimo estado de conservação das florestas, muitas espécies endêmicas e ameaçadas de extinção podem ser encontradas nesta trilha, como o tovacuçu, o gavião-pombo-grande e o gavião-pombo-pequeno, o benedito, o macuru-de-barriga-castanha, o topetinho-vermelho, o limpa-folha-de-testa-baia, chocão-carijó, o amambé-branco-de-rabo-preto, o piolinho-chiador e a catirumbava. O destaque da trilha Valdenor vai para a choquinha-pequena, espécie endêmica do Brasil e da Mata Atlântica litorânea e vulnerável a extinção pela perda de habitat.